A origem do Halloween

  • Escrito por Claudio M
  • Oct 31, 2020
  • Atualizado em Oct 31, 2020

Instale o aplicativo Bazar Club e tenha a melhor experiência de compras em seu smartphone! Você também tem acesso a alguns dos nossos produtos em nossa loja web!

A origem do Halloween

Há fantasmas na estrada na madrugada, duendes e coisas assim. Os deuses dos segredos, demônios do medo, ou apenas uma noite de Halloween?

Era um fim de semana, no final da década de 90. Eu e meus amigos, e os amigos dos amigos deles, comparecemos à cobertura de uma amiga que sempre fez questão de comemorar o Dias das Bruxas em grande estilo. Passamos o dia inteiro cuidando da festa e de madrugada este vampiro que vos fala, e o resto da nossa estranha patrulha da noite, saímos pelo litoral carioca para escandalizar os velhos de alma e encantar os jovens de espírito. Essa é a lembrança mais querida que eu tenho do Halloween…

Olá, Nerds e Geeks! Chegamos hoje na noite preferida dos cosplayers, o Halloween! Preparem suas fantasias, escavem suas abóboras e vamos comemorar! Mas o que é realmente o chamado Dia das Bruxas, o que é de fato comemorado e como tudo começou?

Shamhain, a noite da colheita

Shamain

Primeiras coisas, primeiro. O nome real do feriado é Shamain, o festival rural da colheita em primeiro lugar. E sim, o dia do ano no qual os pagãos acreditam que as fronteiras entre esse mundo e o mundo dos mortos estão mais próximas, daí a ideia de Festival dos mortos.

Porém a data é bem mais importante que isso. Especificamente para o povo celta, do qual se originou a tradiçao, é também o ano novo, um dia para nos parabenizarmos e agradecermos por termos sobrevivido mais um ano (e convenhamos, especialmente em 2020 isso significa alguma coisa!).

Não é preciso pensar muito para imaginar que essa era uma data muito popular em uma Europa que apenas recentemente havia sido cristianizada. E sim, a Igreja Católica não gostava nem um pouco. Pregações e missas começaram a falar contra a data, falando de bruxas e rituais grotescos e coisas ainda piores!

O povo simples da Europa da época, ao contrário de abolir o feriado, adotou a ideia… E esse dia passou a ser dito “O Dia das Bruxas” (Witch Day). Na prática, era como se fosse dito “o-dia-que-o-padre-não-gosta”…

Para consertar o plano mal feito, vendo que dificilmente se tira das pessoas um dia fasto no qual elas podem comer e beber, a Igreja tratou de adotar a estratégia “não pode com eles, junte-se a eles”, e transferiu a comemoração cristã do Dia de Todos os Santos, no qual já se honrava os falecidos, do dia 13 de Março pata 1 de Novembro (aqui no Brasil, dia 2 por questões práticas). E então o dia de hoje ficaria conhecido como “Halloween”, a véspera do Dia de Todos os Santos (All Hallows Even).

Algumas tradições do Halloween

As tradições

Desde os tempos antigos da comemoração até hoje, várias práticas, brincadeiras e pequenos rituais foram adicionados à festa. Alguns mais óbvios, outros bastante mal compreendidos e dando origem à mais mistificações sobre a data. Vamos lançar um pouco de luz (do Luar… É Halloween, o que você esperava?)

Fogueiras

É fácil de imaginar que o hábito (que não seguimos obviamente em ambientes urbanos) de acender fogueiras nessa noite seja algum tipo de homenagem às bruxas queimadas pela Santa Inquisição Espanhola. Ou eram luzes para guiar as almas dos mortos recentes à luz de Deus. Ou para afastar maus espíritos. Mas na verdade é um hábito bem mais antigo e prático.

Como eu havia mencionado, é um festival de colheita. Boa parte da produção agrícola era de trigo, e antes de mandar o cereal para os moinhos fazer farinha, era necessário separar o joio (os bagaços e palha). Ao final do processo, o jeito mais fácil e prático para se livrar dele era queimando… E como no hemisfério norte esse é o fim do outono e início do inverno, nada como unir o útil e o agradável ao festivo, e acender belas fogueiras!

Bazar Club baixe agora!

As fantasias

Sim, como você pode imaginar, isso começou como uma provocação à Igreja católica… ]:-]>

Como o “Dia das Bruxas” era propagado por aí nos sermões como “o dia do aniversário do diabo” ou as bruxas diziam ser um festival para o Rei dos Mortos (e de fato a mitologia Celta havia um deus assim, Gwyn ap Nudd, responsável por cuidar das almas passadas). O bem humorado povo medieval começou a usar fantasias de espíritos e monstros para assustar as pessoas, ou apenas despertar boas risadas.

Doces ou travessuras

Sim, isso vem dos pagãos. Se existe uma coisa que une todas as seitas paganistas do mundo inteiro, é que elas amam - é sério, todas adoram - comida! É mais do que simplesmente sustento ou prazer, é uma forma de comunhão da Humanidade com a natureza. E dia de festa + colheita = comer muito! Esse era um dia de dividir comida com os vizinhos.

A parte das travessuras… É provavelmente outra piada com a cristandade. As bruxas medievais dividiam com as fadas a reputação de roubar ou azedar o leite das vacas, apodrecer coisas, causar diversos tipos de acidentes estranhos à pessoas de quem não gostavam, literalmente pintar os canecos no mundo medieval. Tanto que a palavra inglesa wicked (perverso) vem de witch (bruxa).

“Me dê comida ou eu apronto com você como uma bruxa”… Sim, é essa a ideia!

As abóboras

Essa tradição começou a aparecer quando os colonos começaram a migrar para o continente americano, especificamente os ingleses para os EUA.

Existia uma lenda do folclore Irlandês sobre o “Jack O’Lantern”, um bebedor muito entusiasmado (irlandês… Isso é quase um pleonasmo), porém incrivelmente esperto (todo espertalhão das lendas irlandesas se chama “Jack”, repararam?).

Em cada bebederia, Jack recebia a visita do diabo em pessoa, para seduzí-lo ao suicídio e ao inferno. Mas Jack sempre dava um jeito de enganar e sacanear o coisa-ruim antes do dia amanhecer.

Um dia, como esperado, a sorte de Jack não acabou, mas seu fígado sim. Ele finalmente morreu, e por seus hábitos detestáveis não pôde entrar no céu. No entanto, ele tampouco foi aceito pelo diabo no inferno, porque depois de tantas humilhações o demônio já o odiava e temia. Sem lugar pra ficar, a alma de Jack então vaga pela Terra usando lanternas que ele improvisava com velas em nabos, para iluminar o caminho e defendê-lo dos maus espíritos que vem caçoar dele…

Quando os colonos vieram para a América, encontratam aqui as abóboras grandes, muito mais abundantes e fáceis de cavar do que os nabos. E a Lenda de Jack O’Lantern continua vivendo de roupas novas…

Como o dia das bruxas é comemorado no Brasil

Halloween no Brasil

Brasileiros adoram feriados. O fato disso fazer parte da nossa cultura faz com que a gente adote rapidamente tradicões de outros povos. Mas eu tenho quase certeza de que eu sei algo sobre esse dia que você não sabe…

Desde 2003, para dar um caráter mais nacionalizado a esse feriado e promover a cultura nacional, há a Lei 2762, que institui oficialmente o dia de 31 de Outubro como O Dia do Saci, nossa mais querida lenda nacional.

Outro fato a respeito do Halloween por aqui, no hemisfério sul é que… Nós estamos comemorando errado!

As datas comemorativas do paganismo, todas elas, são baseadas no decurso das estações, e Shamain não é uma exceção. Ele marca o início do inverno, e no entanto por aqui estamos no início do verão!

Uma vez que as estações entre os dois hemisférios são invertidas, o mês correto para comemorar o Shamhain seria em Maio, mês que chamamos de “das Noivas”, e isso tem um motivo: a festa oposta ao Shamhain se chama Beltane, o Festival do Pantio, da fertilidade. E é especificamente Beltane que devíamos estar comemorando agora, no início do verão. Um tempo de se apaixonar, encontrar novas namoradas e namorados, gerar as crianças do amanhã, essas coisas.

Para nós, brasileiros, respeitando o calendário correto da natureza, a ameaça “gostosuras ou travessuras” deveria ter um… Ahem… Significado… Um tanto diferente. :-]

Bazar Club baixe agora!

Seja qual for a festa que há em seu coração hoje, Feliz 31 de Outubro!

Comentem aqui embaixo, como estão passando ou passaram o mais creepy 31 de Outubro do século!

 

Qual a sua opinião? Deixe um comentário!

comments powered by Disqus